sexta-feira, 15 de setembro de 2017

ESTUDO BIBLÍCO

A pressa espiritual (Nm 21.4-9; Jo 3.11-15).

Objetivo: conduzir o ouvinte à reflexão sobre a sua condição de cristão e reconhecer quais são os princípios que governam sua vida espiritual.

A Bíblia apresenta assuntos de forma simbólica. 
A serpente de bronze é um símbolo (tipo) vétero-testamentário
de Cristo levando nosso pecado na cruz.
• Jesus deixou claro (vv. 3) que Nicodemos estava se precipitando:
devemos desenvolver princípios.
• Por que somos cristãos? Porque Jesus nos abençoou?
Porque vimos o nosso pecado pregado na cruz?
Nicodemos apenas se entusiasmou pelos sinais feitos
por Cristo.
• Quem não entende o princípio do arrependimento não pode compreender sua função no corpo de Cristo. Essa pessoa vai sentir o Espírito Santo e não vai perceber que o seu próprio espírito veio do pecado e vai para a eternidade (vv. 8).
• Por que devemos entender os princípios? Porque, senão entendermos as coisas terrenas, não poderemos entender as coisas espirituais (v. 12).
• A serpente é figura do pecado. Pregada na cruz, significa o pecado aniquilado. Temos que nos identificar com Jesus na cruz todos os dias.
• 1 João 2.1,2: devemos crescer, sim, mas, se pecarmos, não importa qual a nossa estatura espiritual, devemos olhar para a cruz (Hb 12.1,2).

Apelo: convocar as pessoas a refletirem sobre a motivação que as mantém na igreja. Questionar os princípios da sua fé e reorientá-los de acordo com a Palavra de Deus.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Livro de Atos

ATOS DOS APÓSTOLOS. 2017
 At 1.1-5  Nesta Introdução, o autor fala sobre aquilo que ele tinha escrito em seu primeiro livro, o Evangelho de Lucas ( Lc 1.1-4 ). Lá, ele contou a vida de Jesus desde o seu nascimento até o dia em que ele foi levado para o céu. Aqui, no segundo livro, ele vai contar como a boa notícia do evangelho foi anunciada nos países que faziam parte do Império romano, até que o apóstolo Paulo chegou a Roma, a capital do Império.
  1.8  Indiretamente, Jesus responde a pergunta dos apóstolos no v.  6  se ele vai devolver o Reino a Israel. Jesus dá a entender que o Reino virá agora por meio da descida do Espírito Santo, que dará aos apóstolos o poder para testemunhar; e que o Reino virá não apenas para Israel, mas também para todo o mundo, pois eles serão testemunhas até nos lugares mais distantes da terra.  testemunhas  Pessoas que falam sobre aquilo que viram e ouviram (ver  At 14.12 ;  23.11 , n.).  Jerusalém… Judeia e Samaria… nos lugares mais distantes da terra  O anúncio da mensagem de Cristo começa na capital ( Jerusalém ;  At 2—7 ), estende-se a toda a região ao redor de Jerusalém e a outra região existente mais ao norte ( Judeia e Samaria ;  At 8—12 ) e atinge os  lugares mais distantes da terra  ( At 13—28 ). (Sobre os  lugares mais distantes da terra , ver também  Mt 28.19 ;  Mc 16.15 ;  Lc 24.47-48 ).
  At 1.12-26  Para tomar o lugar de Judas Iscariotes, que havia traído o Mestre, os apóstolos, sob a liderança de Pedro ( Lc 22.31-32 ), escolhem Matias (v.  26 ). Isso acontece ainda antes da vinda do Espírito Santo ( At 2 ). Matias é mencionado no NT apenas aqui.
 1.15  Pedro se levantou  Pedro toma a iniciativa, como de resto em  At 1—12 . Já tinha sido assim também antes da ressurreição de Jesus ( Lc 5.1-11 ;  8.45 ;  9.32-33 ;  12.41 ;  22.31-32 ;  24.12 ). Pedro.  Sl 32.5 , 6 ;  Sl 51.9-13 ;  Lc 22.32 ;  Jo 21.15-17
virá.  Dn 7.13 , 14 ;  Mt 24.30 ;  Mt 25.31 ;  Mc 13.26 ;  Lc 21.27 ;  Jo 14.3 ;  1Ts 1.10 ;  1Ts 4.16 ;  2Ts 1.7-10 ;  Ap 1.7

Téofilo é o nome ou título honorífico da pessoa mencionada no Evangelho de Lucas  e nos Atos dos Apóstolos. Considera-se que ambos os livros foram escritos pelo mesmo autor num estilo refinado do grego koiné e o nome "θεόφιλος" (Theóphilos), neles citado, significa "amigo de Deus", "amado por Deus" ou "amando a Deus"em grego clássico.

Não se conhece a verdadeira identidade de Teófilo e há variadas conjecturas e tradições sobre quem poderia sê-lo:O Easton's Bible Dictionary, considerando que Lucas se refere a Teófilo com o mesmo honorífico que Paulo se dirige a Félix, supõe que Teófilo era uma pessoa importante, possivelmente um oficial romano.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

TESTIGO

Los escépticos cuestionan la veracidad de la vida y obra de Jesucristo el Hijo de Dios, y el Libro de Hechos de los Apóstoles nos da pruebas, testimonios de personas que presenciaron los signos y las operaciones de Nuestro Señor Jesucristo.

Lucas era gentil, médico e historiador, por lo tanto, va a fondo en la investigación de los hechos para escribir el Evangelio según San Lucas y los Hechos de los Apóstoles.
Su nombre significa''luz`` o''luminoso``, acompañó personalmente al Apóstol Pablo en sus viajes misioneros.

En Hechos ya en el primer capítulo él habla que Cristo no sólo hacía sino que enseñaba, y que después de haber muerto, resucitó y fue visto por ellos por espacio de cuarenta días; Hace alusión a Juan el Bautista el precursor de Jesucristo y enfatiza con mucho énfasis durante todo el libro acerca del Espíritu Santo el Sucesor de Jesucristo.

En el primer capítulo de los Hechos de los Apóstoles también escribe acerca de la ascensión de Jesucristo y del mensaje recibido por la boca de dos ángeles que "este mismo Jesucristo que de entre vosotros fue recibido arriba en el cielo, ha de venir así como para el El cielo lo viste ir., Delante de testigos oculares, de la narración del Dr. Lucas que nació en el siglo I, en la Ciudad de Antioquía-Orontes, hoy la Ciudad Turca de Antakya y ante las Profecías escritas en el Antiguo Testamento yo creo que Cristo No sólo vivió aquí en la tierra, como está vivo en el cielo la directa de Dios Padre e intercede por nosotros; Y un día Arrebatará a los Cristianos para estar con Él para siempre.

Texto: Lucas Cap. 1. 1-25 y Hechos de los Apóstoles Cap. 1.1-26

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O Jardim do Éden, Tipo de Uma Igreja Local

O Jardim do Éden, figura de uma igreja local

Introdução
Podemos aprender muito, porém, ao examinar os poucos versículos que falam daquele jardim. Neste artigo é minha intenção destacar algumas das características do jardim do Éden que correspondem a características de uma igreja local que segue o padrão do Novo Testamento. Sabemos que tal igreja é sagrada aos olhos de Deus, e que, hoje, é ali que Ele deseja ter comunhão perfeita com Seus servos (veja I Co 3:16-17; I Tm 3:14-15; Mt 18:20; etc.). Seria natural, portanto, encontrar várias semelhanças entre estes dois “paraísos”, entre o local onde Deus teve, pela primeira vez, comunhão com o homem, e o local onde, hoje, Ele procura tal comunhão.
Plantado por Deus (Gn 2:8)
E o mesmo acontece em relação a uma verdadeira igreja de Deus hoje em dia; ela será plantada por Deus. Isto quer dizer que não é um decreto humano que determina o nascimento de uma igreja, nem é necessário ter a autorização de uma instituição ou autoridade humana para que ela passe a existir. O ensino claro do Novo Testamento é que onde um grupo de cristãos, mesmo que pequeno (“Porque onde estiverem dois ou três …”) estiver se reunindo regularmente (“… reunidos …”; o verbo, no grego, é um particípio perfeito na forma passiva, indicando um ato que continua no presente, e feito por uma força externa), atraídos unicamente ao nome do Senhor Jesus Cristo (“… em Meu nome”; não somente com a autoridade dEle, mas atraídos ao Senhor Jesus), ali existe um “santuário de Deus”, uma igreja local (“ali estou no meio deles”). Isto é confirmado pelo Seu aviso à igreja em Éfeso (Ap 2:1-7). Deus mesmo diz que, se necessário, iria remover aquele candeeiro; só Ele poderia fazer isto, pois Ele é quem havia plantado aquela igreja, no começo. É claro que Ele usa vasos humanos para executar esta obra (I Co 3:6-9), mas estes serão apenas “cooperadores de Deus” (I Co 3:9); o poder e a autoridade sempre serão dEle.
2. Um lugar agradável
O lugar escolhido por Deus para plantar este jardim chamava-se Éden, uma palavra hebraica que significa “agradável”, ou “prazer”. Deus criou um jardim perfeito, onde Ele poderia passar momentos agradáveis juntamente com o homem que criara. O profeta Isaías indica que naquele jardim havia “regozijo e alegria, … ações de graça e som de música” (Is 51:3).
E esta comunhão, tão agradável, deve ser encontrada no seio da igreja local. É verdade que cada um deve ter comunhão, individualmente, com seu Salvador, mas é um fato bíblico que, nesta dispensação da graça, Deus fortalece e anima seus filhos através da comunhão da igreja. Ele quer que, na igreja, haja um só sentimento, um só amor (Fl 2:2), onde os membros mais fracos possam ser ajudados pelos mais espirituais (Gl 6:1), todos “lutando juntos pela fé evangélica” (Fl 1:27). Como disse o Espírito, através de Davi: “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos” (Sl 133:1).
3. Um lugar acessível
Como podemos entender, então, o motivo que levou o Espírito a destacar que o jardim ficava na banda do oriente do Éden? É o mesmo que temos no Tabernáculo e no Templo visto por Ezequiel (Ez caps. 43, 46, e 47), cujas portas olhavam para o Oriente. É uma figura da graça de Deus, que tornou a salvação acessível ao ser humano. Quando o pecador, perdido em seu pecado, quisesse, pela operação do Espírito, buscar a Deus, ele iria virar as costas ao Oriente, e a primeira coisa que ele iria ver seria a porta da casa de Deus! Não seria necessário rodear a casa, procurando a entrada; Deus a colocou bem na sua frente. Louvamos a Deus porque Ele não tornou a salvação desnecessariamente complicada. O pecador que deseja ter o perdão dos pecados não tem que sair procurando um caminho escondido; a Porta, aberta pela graça de Deus, está ao alcance do mais fraco ser humano!
A igreja local deve ser um lugar acessível. Não um lugar onde qualquer um entra, sem questionamento, mas onde qualquer um que queira se submeter à Palavra de Deus encontrará livre acesso.
4. Um lugar onde havia alimento (Gn 2:9)
O jardim do Éden não satisfazia apenas aos olhos; também fornecia alimento abundante e variado, com toda sorte de árvore boa para alimento.
Uma igreja que não esteja fornecendo alimento para o rebanho está em grande falta, e dificilmente poderá crescer. Para haver crescimento, é necessário alimento, e este deve ser encontrado, principalmente, na igreja, pois o Novo Testamento mostra claramente que é em comunhão com a igreja que o cristão cresce.  Ef 4:11-16

Deus fez provisão para esta necessidade, pois “Ele mesmo concedeu uns para … pastores e mestres”. Ele próprio deu, para cada igreja, irmãos capacitados para alimentar o povo de Deus através do ensino da Palavra. E não são somente os pastores e mestres que tem esta responsabilidade; os anciãos também devem ser aptos para ensinar (I Tm 3:2). Nem sempre esta aptidão será para o ensino público. Muito pode ser feito em conversas ou visitas particulares, em circunstânciTas onde o ensino público não pode, ou não consegue, surtir o efeito desejado. Mas, seja por meio do ensino público ou individual, a verdade é que, em cada igreja local, o alvo deve ser que cada um dos membros esteja encontrando alimento para as necessidades.

Postagem em destaque

Cerimônia Fúnebre: Funeral

Todo Pastor, Presbítero ou Dirigente de congregação deve estar pronto para realizar um cerimonial fúnebre, ( funeral ), é uma oportunidade p...