sexta-feira, 21 de julho de 2017

O Jardim do Éden, Tipo de Uma Igreja Local

O Jardim do Éden, figura de uma igreja local

Introdução
Podemos aprender muito, porém, ao examinar os poucos versículos que falam daquele jardim. Neste artigo é minha intenção destacar algumas das características do jardim do Éden que correspondem a características de uma igreja local que segue o padrão do Novo Testamento. Sabemos que tal igreja é sagrada aos olhos de Deus, e que, hoje, é ali que Ele deseja ter comunhão perfeita com Seus servos (veja I Co 3:16-17; I Tm 3:14-15; Mt 18:20; etc.). Seria natural, portanto, encontrar várias semelhanças entre estes dois “paraísos”, entre o local onde Deus teve, pela primeira vez, comunhão com o homem, e o local onde, hoje, Ele procura tal comunhão.
Plantado por Deus (Gn 2:8)
E o mesmo acontece em relação a uma verdadeira igreja de Deus hoje em dia; ela será plantada por Deus. Isto quer dizer que não é um decreto humano que determina o nascimento de uma igreja, nem é necessário ter a autorização de uma instituição ou autoridade humana para que ela passe a existir. O ensino claro do Novo Testamento é que onde um grupo de cristãos, mesmo que pequeno (“Porque onde estiverem dois ou três …”) estiver se reunindo regularmente (“… reunidos …”; o verbo, no grego, é um particípio perfeito na forma passiva, indicando um ato que continua no presente, e feito por uma força externa), atraídos unicamente ao nome do Senhor Jesus Cristo (“… em Meu nome”; não somente com a autoridade dEle, mas atraídos ao Senhor Jesus), ali existe um “santuário de Deus”, uma igreja local (“ali estou no meio deles”). Isto é confirmado pelo Seu aviso à igreja em Éfeso (Ap 2:1-7). Deus mesmo diz que, se necessário, iria remover aquele candeeiro; só Ele poderia fazer isto, pois Ele é quem havia plantado aquela igreja, no começo. É claro que Ele usa vasos humanos para executar esta obra (I Co 3:6-9), mas estes serão apenas “cooperadores de Deus” (I Co 3:9); o poder e a autoridade sempre serão dEle.
2. Um lugar agradável
O lugar escolhido por Deus para plantar este jardim chamava-se Éden, uma palavra hebraica que significa “agradável”, ou “prazer”. Deus criou um jardim perfeito, onde Ele poderia passar momentos agradáveis juntamente com o homem que criara. O profeta Isaías indica que naquele jardim havia “regozijo e alegria, … ações de graça e som de música” (Is 51:3).
E esta comunhão, tão agradável, deve ser encontrada no seio da igreja local. É verdade que cada um deve ter comunhão, individualmente, com seu Salvador, mas é um fato bíblico que, nesta dispensação da graça, Deus fortalece e anima seus filhos através da comunhão da igreja. Ele quer que, na igreja, haja um só sentimento, um só amor (Fl 2:2), onde os membros mais fracos possam ser ajudados pelos mais espirituais (Gl 6:1), todos “lutando juntos pela fé evangélica” (Fl 1:27). Como disse o Espírito, através de Davi: “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos” (Sl 133:1).
3. Um lugar acessível
Como podemos entender, então, o motivo que levou o Espírito a destacar que o jardim ficava na banda do oriente do Éden? É o mesmo que temos no Tabernáculo e no Templo visto por Ezequiel (Ez caps. 43, 46, e 47), cujas portas olhavam para o Oriente. É uma figura da graça de Deus, que tornou a salvação acessível ao ser humano. Quando o pecador, perdido em seu pecado, quisesse, pela operação do Espírito, buscar a Deus, ele iria virar as costas ao Oriente, e a primeira coisa que ele iria ver seria a porta da casa de Deus! Não seria necessário rodear a casa, procurando a entrada; Deus a colocou bem na sua frente. Louvamos a Deus porque Ele não tornou a salvação desnecessariamente complicada. O pecador que deseja ter o perdão dos pecados não tem que sair procurando um caminho escondido; a Porta, aberta pela graça de Deus, está ao alcance do mais fraco ser humano!
A igreja local deve ser um lugar acessível. Não um lugar onde qualquer um entra, sem questionamento, mas onde qualquer um que queira se submeter à Palavra de Deus encontrará livre acesso.
4. Um lugar onde havia alimento (Gn 2:9)
O jardim do Éden não satisfazia apenas aos olhos; também fornecia alimento abundante e variado, com toda sorte de árvore boa para alimento.
Uma igreja que não esteja fornecendo alimento para o rebanho está em grande falta, e dificilmente poderá crescer. Para haver crescimento, é necessário alimento, e este deve ser encontrado, principalmente, na igreja, pois o Novo Testamento mostra claramente que é em comunhão com a igreja que o cristão cresce.  Ef 4:11-16

Deus fez provisão para esta necessidade, pois “Ele mesmo concedeu uns para … pastores e mestres”. Ele próprio deu, para cada igreja, irmãos capacitados para alimentar o povo de Deus através do ensino da Palavra. E não são somente os pastores e mestres que tem esta responsabilidade; os anciãos também devem ser aptos para ensinar (I Tm 3:2). Nem sempre esta aptidão será para o ensino público. Muito pode ser feito em conversas ou visitas particulares, em circunstânciTas onde o ensino público não pode, ou não consegue, surtir o efeito desejado. Mas, seja por meio do ensino público ou individual, a verdade é que, em cada igreja local, o alvo deve ser que cada um dos membros esteja encontrando alimento para as necessidades.
Postar um comentário

Postagem em destaque

Cerimônia Fúnebre: Funeral

Todo Pastor, Presbítero ou Dirigente de congregação deve estar pronto para realizar um cerimonial fúnebre, ( funeral ), é uma oportunidade p...